PRESO – Médico de 62 anos condenado por ter estuprado 15 mulheres em Ariquemes foi preso em Santa Maria

O homem cumpria pena em Santa Maria desde abril desse ano, quando foi transferido de Rondônia. Segundo a Polícia Civil, o médico alegou problemas de saúde e de que não poderia ficar no Presídio, pedindo o benefício de prisão domiciliar.

Um médico de 62 anos foi preso ontem quarta-feira 25, em Santa Maria, na Região Central. Conforme a Polícia Civil, Pedro Augusto Ramos da Silva foi capturado ao sair de uma agência bancária no bairro Camobi. O ex-ginecologista foi condenado pelo Tribunal de Justiça de Rondônia (RO) a 130 anos de prisão após ter estuprado 15 mulheres em Ariquemes durante exames médicos.

Agentes da 4ª Delegacia de Polícia de Santa Maria receberam denúncia anônima de que o homem estava descumprindo as regras da prisão domiciliar e frequentando locais públicos. Silva, que só estava autorizado a ir em consultas médicas e saídas para tratamento de saúde, estava sendo monitorado há pelo menos uma semana.

ABUSOS SEXUAIS

Segundo a Justiça, nos atos de abusos sexuais contra as pacientes o médico masturbava as mulheres durante os exames ginecológicos. Os casos ocorreram entre o dia 12 de setembro de 2014 a 25 de fevereiro de 2015 e aconteceram em um Hospital particular, no Posto de Saúde Municipal onde ele atendia e no Hospital Regional de Ariquemes.

Com 77 páginas, a sentença descreve em detalhes uma das ações cometidas pelo acusado. Em um dos casos, a vítima foi ao médico para uma avaliação de rotina do dispositivo intrauterino (DIU), mas acabou sendo abusada.

“Aproveitando-se da confiança profissional, o réu passou a acariciar e apertar os mamilos da vítima. Bem como introduzia os dedos na vagina da paciente […]. Ao se levantar da maca ginecológica, percebeu que o zíper da calça do acusado estava aberto […]”, descreve o processo.

Em outro caso, o ginecologista praticou violência sexual durante o tratamento de um aborto espontâneo em uma paciente. “O réu atendeu a vítima nos fundos do hospital, onde não havia movimento de pessoas. Posteriormente, ele determinou que a paciente se despisse e deitasse na maca, quando se posicionou entre as pernas da vítima e a masturbou por trinta minutos, mesmo com a paciente pedindo para encerrar o ato”, informa a sentença.

Ainda de acordo com processo, o médico chegou a repetir o mesmo abuso em uma paciente que estava grávida.

A juíza da 2ª Vara Criminal de Ariquemes, Cláudia Mara da Silva, relatou que os fatos são relevantes, tendo em vista que o réu se aproveitou de ser médico ginecologista para praticar os abusos. Para a magistrada, as consequências nestes crimes são sempre graves, pois deixam traumas emocionais e psicológicos nas vítimas, quando estavam à procura de um tratamento médico.

Na decisão, a juíza fixou a pena base de oito anos de reclusão. Porém como o réu possui antecedentes criminais com condenação nas comarcas de Feijó (AC) e Porto dos Gaúchos (MT), foi reconhecida a agravante da reincidência, a qual fixou a pena em oito anos e oito meses para cada crime de estupro. Totalizando 130 anos de prisão em regime fechado. Por fim, o TJ-RO determinou a comunicação com o judiciário de Feijó, para que possa cumprir a sentença no Presídio do município.

Reprodução do site Extra de Rondônia