Servidores Públicos de Ji-Paraná terão aumento no valor das diárias, Projeto de Lei foi aprovado em sessão

A decisão beneficia os profissionais do Hospital Municipal Claudionor Roriz que realizam o transporte de pacientes para tratamento em outros centros de referência médica e reivindicavam alteração do valor.

Por Jairo Ardull

A Câmara Municipal de Ji-Paraná aprovou o projeto de lei (2863), enviado pelo prefeito Marcito Pinto (PDT), que fixa novos valores para a concessão de diárias aos servidores públicos municipais. A votação em plenário ocorreu na sessão ordinária de terça-feira (30).

A decisão beneficia os profissionais do Hospital Municipal Claudionor Roriz que realizam o transporte de pacientes para tratamento em outros centros de referência médica e reivindicavam alteração do valor. O reajuste concedido, a esses e outros profissionais, foi de 50%.

O PL foi elogiado pelo vereador Lorenil Gomes (PTB) que encaminhou requerimento, datado de 22 de março de 2019, à Secretaria Municipal de Saúde (Semusa), solicitando o reajuste para a categoria. “Reconheço o esforço do prefeito Marcito Pinto em atender ao pedido feito em nome dos motoristas”, afirmou.

De acordo com Lorenil Gomes, o valor da diária estava defasado, se comparado aos custos de alimentação e hospedagem (quando necessária) que tiveram grande elevação nos últimos anos. “Sem falar nos riscos de se trafegar na BR-364, tendo que transportar um paciente que, muitas vezes, pode estar entre a vida e a morte”, enfatizou.

O vereador acrescentou que os servidores “não têm dia e nem hora” para fazer a transferência de pacientes. “Esses profissionais atuam para salvar vidas. E quando não se tem mais o que fazer no Hospital Municipal [Claudionor Roriz] é preciso a transferência urgente do paciente”.

Antes, o valor da diária de motoristas e técnicos que fazem o transporte de pacientes era de R$ 100. Após o reajuste, eles vão receber R$ 150,00 pelos deslocamentos. “Estou certo que o prefeito Marcito Pinto foi sensível à categoria e autorizou o reajuste que as contas públicas permitiu”, alegou.